30/10/2009

pessimismo


caminho o mundo feito caranguejo

eternas são as voltas ao ângulo de partida

onde o porvir nasce lateral e arcaico


não é fácil destituir ponto determinado

não é fácil enfrentar feras e feridas

não é fácil tornar luxo pardieiro


às vezes me sinto sem chão, sem seio

e meus dias, espero contados...



*Imagem extraída do blog de André Benjamim


24/10/2009

Pacotaria do amor no Poema Dia



Se amor se vendesse...

Eu venderia amor em muitas caixas

embrulharia cada uma

com metros de rima e, dentro, só fumaça

para o amor se esparramar, no céu, em cinza mágica.


Se amor se vendesse...

Eu venderia amor tal qual perfume na loja

com data de fabricação bem descrita

mas o vencimento... data vã, indefinida

posto não se saber, ao certo, a hora da chegada

nem quanto a dor da partida.


Se amor se vendesse...

Eu venderia amor em doses homeopáticas.

capitalizaria cada gota de orvalho

faria da rosa seu marketing necessário

e, do beija-flor, um vendedor implacável:


- Quem dá mais? Quem dá mais? Quem dá mais?...

(Na Pacotaria do Amor, você compra amor e leva de brinde uma flor;

por apenas alguns, poucos e míseros, trocados!)


Se amor se vendesse,

eu já estaria rica!...



*Para visitar o Poema Dia, clique aqui.

**Texto também publicado no site www.artigos.com, em 09/08/07.

*** Imagem extraída do Google.


23/10/2009

céu abaixo

Arte: René Magritte


A menina voou...

lembrou agruras céu abaixo

: sonho sumiu.


21/10/2009

peleja


Dante e Virgílio no Inferno: William-Adolphe Bouguereau


estou farta de tanta peleja

de tanta manobra à fria mesa

de tanta sobra em falta de gentileza

de tanta humanidade...


19/10/2009

Revista Cultural Novitas


Amigos leitores,


à convite da Editora Novitas, o poema 3 falácias de amor, publicado em o Poema Dia, integra o 2◦ número da Revista Cultural Novitas, que encontra-se sob a coordenação editorial da escritora Letícia Losekann Coelho.

Além de textos poéticos, o 2◦ número traz excelentes matérias, dentre elas o artigo “Luís da Câmara Cascudo: um provinciano incurável”.

Estou bastante feliz em participar deste número e convido a todos a conhecerem este projeto da Editora Novitas através da apreciação da Revista Cultural em formato PDF.

Para fazer o download clique aqui.



Saudações poéticas,

Hercília Fernandes.


18/10/2009

Jardim Esperança


Para acompanhar leitura

Linda rosa: Maria Gadú



Rosa vinha de mau relacionamento, mas seu coração cultivava jardim de esperanças.

No espelho da mãe, costumava observar as formas de seu corpo e, enquanto absorvia o reflexo da imagem transfigurada, lhe inquietava o espírito a responsabilidade de prover, sozinha, os dois filhos. Porém, a moça era extremamente otimista, beirava a flor dos vinte; e acreditava, fervorosamente, em manhãs frutíferas.

Certo dia, Rosa conhece um rapaz que, novamente, faz seu peito acelerar: sonhos cor-de-rosa passam a alimentar a sua retina. O moço, sério e prestativo, possuindo quase vinte anos a mais, se apresentara bem intencionado; nomeando-se qualificado e disposto a contrair família. Rosa não exitou! Com o consentimento familiar, foi-se com o distinto enamorado, levando consigo seus dois maiores tesouros.

Dias passam, Rosa acredita piamente na felicidade conjugal. Entretanto, passados cinco anos ou pouco mais, a moça começa a perceber pequenas alterações no temperamento do companheiro. Apesar de ele garantir-lhe que nada além do habitual lhe acometia, Rosa intuía que o marido deleitava prazeres mundanos... Pequenas mostras de traição confirmavam as suas suspeitas.

Pouco a pouco, Rosa foi vendo os sonhos cor-de-rosa se dissolverem em cinza aquarela. Porém, como detinha coração verdejante, reconhece que chegara a hora de virar mais uma página da sua história. Certa de sua escolha, reuni os filhos, colocando-os a par da situação. Como era de se esperar, os pequenos se puseram favoráveis à mãe, ofertando-lhe sincera afeição e solidariedade.

Quando a noite chega, Rosa foi-se ter com o marido. Ao declarar a sua decisão, o companheiro apresenta comportamento totalmente inesperado. Enfurecido, alega que Rosa deveria manter amante, mas que não deixaria o delito sem a devida punição. Batendo-lhe várias vezes a face, argumenta que se Rosa não lhe pertencesse, jamais seria de outro... e sucedia com os atos de violência mesmo sob os protestos dos filhos que, em vão, espancavam a porta do quarto na tentativa de acudir a mãe.

Subitamente, gritos e gemidos cessam-se e o silêncio impera na casa. No alvorecer do dia, os meninos, estranhando a ausência da mãe, pedem auxílio à vizinhança. Um senhor bastante chegado à família, prontifica-se à tarefa de verificar o casal. Ao invadir o quarto, se depara com a frieza do cenário: Rosa, inteiramente vestida de vermelho, descansava sob os braços do marido que, dormindo, guardava, em uma das mãos, punhal dourado.

Rosa vinha de bom relacionamento... descansa, hoje, no Jardim Esperança.




Nota: Personagem feminina inspirada na canção Linda Rosa, interpretada pela cantora Maria Gadú. Texto baseado, lamentavelmente, em crime ocorrido durante esta semana na cidade de Caicó-RN. As características psicológicas das personagens e situações narradas envolvendo o crime, entretanto, são ficcionais. O crime deixou-me emocionalmente chocada e abalada. Não podemos admitir barbárie, atitudes reacionárias que rebaixem ou silenciem as mulheres, mesmo que "disfarçadas" sob os signos "honra" ou "amor"...


14/10/2009

discurso


Diego Velázquez: As meninas

As meninas comentam...
dizem o samba conter única nota
: o pior é que ele nem nota!
Mas há um garoto que me corteja
se as imagens não avultam...
possui tórax de ferro e lábios de cereja.
O intrépido madrugada me espreita
resolvi abrir-lhe a guarda
tornar-me bandeja.

As meninas mudarão o discurso...


Poema também postado no Gato.da.Odete

13/10/2009

vinhas

meandros II

Arte: Marc Chagall


Ele só viu a frágil figura sobre o tapete. Aquela imagem lhe perseguiu durante dias. Mas ali não se encontrava a doce alma que tornava vinhas azuis. Ali não mais se viam sonhos, gozos, elevações... Vendo-a sucumbir sob deploráveis condições, sentiu-se intimamente culpado. Ao mesmo tempo, incomodava-lhe o fato de ela se apresentar permissiva. Por que cedera, tão facilmente, às suas não-admiráveis investidas?... Durante a vida preocupou-se em fazer-lhe sentir-se rei; esqueceu que, sem viço, rei não é súdito nem lei: é peça de xadrez! Convicto, saiu à rua com o coração aliviado, dizendo a si mesmo não haver algozes nem vitimados. Era preciso acompanhar a lua...


Où l'amour sera roi

Où l'amour sera loi

Où tu seras reine...


11/10/2009

meandros


..........Ela tentou fazer-lhe reconsiderar... Acariciou-lhe os sentidos com novos desmedidos ventos de uma velha canção. Em vão. Amores se vão, desejos se vão... Em mostra extrema de devoção, deixou-se ao chão implorando sua permanência. Apelação. Amores se vão, desejos se vão: Ele se foi... deixando seu coração em meandros de saudade sob certa abundância de ausência...


..........ne me quitte pas

..........ne me quitte pas

..........ne me quitte pas



* Ne me quitte pas fez grande sucesso, no Brasil e exterior, na bela voz da cantora e compositora Maysa, agora ganha nova roupagem na interpretação de Maria Gadú.

** Para ouvir/ver as duas interpretações brasileiras de Ne me quitte pas clique nos nomes das cantoras.

09/10/2009

(des)equilibração



excesso nem ausência

eis, a máxima da ciência!...

um dia deixo de ser criança

apeio a pena lânguida

desacomodo...



Arte disponível em RespirandoArte.K

03/10/2009

...




Não quer mais brincar,

cansou dos jogos de adivinhação.

Se pudesse, moveria eu-tu do ser-

tão: morreria com as borboletas...



*Imagem disponível no Google.


01/10/2009

passageiros

diálogo entre miudezas


Arte: Joana Vieira


a)...abduzido

tornou poeira cósmica

entulho espacial


b)...solitária

trafega chuva ácida

entalha nau



"O sonhador, em seu devaneio, não consegue sonhar diante de um espelho que não seja profundo."

(Gaston Bachelard)