23/12/2011

Novos tamancos



é chegado o fim do ano

mais um ano...
mais um ano...

um ano para esquecer
um ano para acalentar
um ano para redescobrir

o que seria de nós se não houvesse os relógios?
e os ponteiros e os calendários e os seus óbitos?

se não existissem demarcações?
nos olhos, nas luzes, nas sombras, nas combustões?

o que faríamos, nós, com a existência de um grau zero?
uniríamos começo, meio, fim...
e destilaríamos nos caldeirões os seus mistérios?

e se deixássemos ser a chuva?
e sermos leveza, transparência, flor, candura...
e a tudo transformar?

é chegado o fim do ano
embora eu já tenha comprado os meus novos tamancos
não tenho nenhuma pressa em calçá-los!...


hercília fernandes



*Arte: Salvador Dalí.
*Poema escrito em dezembro de 2006.

13/12/2011

amor na primavera (2)


.
.
.

e o dantes genuíno
torna-se hino de renovação
as flores adornadas, outrora vívidas
e compartilhadas, representavam alegorias
em que se (in)venta utópica tradição
e a saudade talhada, artilharia
reacionária, intenta
consolidação

.
.
.

12/12/2011

amor na primavera

.
.
.

quando a revolução veio
acreditei ser possível
uma pacificação
mas você não concebia
ideologia separada da ação
seu socialismo era crítico
o meu, coração

.
.
.



para além de mim

À Hosamis Ramos de Pádua



procura-se uma causa,
uma causa centeia

uma razão que ultrapasse
inócuas veias

desafie vidas insólitas
paridas ‘cem’ teias

que deságüe nós
e que espalhe faróis
para muito além

de mim



*Imagem localizada aqui.

10/12/2011

é tempo...




ainda desejo aquela dança
[não aquela cujos lilases
não soubemos vislumbrar]
quero a mais descomedida
canção sorvida à fogo lento
conduzindo nossos corpos
aos insights do sentimento

afinal, é tempo...





01/12/2011

consumo de.composição (2)



saudade do riso
trem ‘cem’ trilhos

dos meus olhos
te devorando

à míngua


*Imagem disponível no blog Devaneios.
"O sonhador, em seu devaneio, não consegue sonhar diante de um espelho que não seja profundo."

(Gaston Bachelard)