29/11/2015

Do que (não) quero...

Não quero arranhar
seus discos
Nem ferir-lhe os quadros

Quero seu gozo
y precipício

Dos riscos aos meus
traçados


h.f.
29 nov./2015


28/11/2015

Existe

um lugar só meu
Nele, há quem saiba
me ver
O vazio é tanto...
Nada
(ou ninguém)
vem me preencher.


h.f.
28 nov./2015


Sempre lutei...

Pra ter voz
Pra ter vez
Pra dizer
sim
não
ou mesmo
talvez
Pra ser protagonista
E não
Era uma vez...


h.f.
28 nov./2015


27/11/2015

Não é só um...

é uma estrutura complexa
de dominação
que se revela nas miúdas
e graúdas
coisas


h.f.
27 nov./2015


Adversa, existo...


Pensa que lhe pertenço...
Tenta coibir qualquer expressão
adversa aos valores de sua casta
Não recordo de vender-lhe
a alma...

Existo.


h.f.
27 nov./2015


26/11/2015

Muito além


Pra completar a pintura
do quadro...
sonhei com a sua vinda.

Tudo é tão simbólica e
corporeamente entranhado,
vai muito além da retina.


h.f.
26 nov./2015


Pudesse,

não recuperaria
as canções em dó 
maior
por tanto amor
lhe dediquei

devolver-me-ia
inteira!

no mar das ilusões,
à mercê
dos ventos 
das ondulações,

só...
naufraguei


h.f.
25 nov./2015



*Em diálogo com a canção "Devolva-me", na bela interpretação de Adriana Calcanhotto.


23/11/2015

In_vestida


Não valorize
a hora da partida:
– viva o momento
em que estou!

Não lamento
a indelicadeza
do amor

Na beleza surtida
sou também
flor


h.f.
23 nov./2015



Lá estarei...


Dize-me onde,
quando, a que horas

Lá estarei... com uma
cesta de amoras!


h.f.
23 nov./2015


22/11/2015

Condução


é difícil sentir-se sozinha
sobretudo nos momentos
em que a vida se nega
a um acaso
um agrado
um emplastro
– até mesmo bom empurrão!
mas trago a sensação
de estar externa às linhas
e viver sozinha
desvela tão minha... condução.


h.f.
3 set./2012


Em quase...


O povo, lá na vizinha,
adora um barraco...
Aqui, vejo-me sozinha
em (quase) completo
silêncio e anonimato.


h.f.
22 nov./2015


Desde o início


Soube
desde o início:
"você é a minha pessoa"

ainda que não...


h.f.
dia desses...


Contrariando (a) Pessoa...


Quando a alma é,
ou se quer, pequena
vale (tudo) a pena...


h.f.
22 nov./2015


De certo


O maior desafio,
penso eu, na tentativa 
de desconstruir a musa, 
é abandonar dicção
sedutora

(e as anáguas que, de
certo, acompanham-na...)


h.f.
22 nov./2015


21/11/2015

Sou assim...

Catadora de sensações
passadas
recheadas de agoras


(Benjamin_ando...)



h.f.
21 nov./2015


Pessoa em movimento


Poemeto escrito a partir da escuta de "Fernando", 
canção do grupo Abba (1976).

video



Tinha um menino


Na efervescência
dos blogs,
tinha um menino
que me chamava
"agá"
era tão afetuoso...
saudades de sentir
a essência desse
poeta-menino


h.f.
21 nov./2015



Desta vez,

a tempestade não
veio a meu favor...
Veio para dissipar
as nuvens da in-
segurança
reiterar que meu
sentimento pulula
feito criança
e é todo seu, meu
amor.


h.f.
21 nov./2015



20/11/2015

Não consigo dormir


tenho febre
 cansaço
não consigo
dormir
com o beijo
desarticulado
ao traço


h.f.
20 nov./2015


Fernando

A partir da escuta de "Fernando",
canção do grupo Abba (1976).


Sempre soube da poesia
em seu nome:
 pessoa em movimento

Não sei sonhá-lo em face
de outro vislumbre

Seu nome é sinestesia
e estranhamento.


h.f.
20 nov./2015


Por sorte ou azar


E se eu
por sorte ou azar
não mais te
amar?


h.f.
20 nov./2015


Isso não é poesia...


Cê sabe o que é
a vida em suspensão?
Os anos passam
Algumas coisas acontecem
Menos o que acrescentaria!

Não, isso não é poesia...
É privação.


h.f.
20 nov./2015



19/11/2015

18/11/2015

Sem promessa


Que a humanidade
releve
meu egoísmo
ou insensibilidade

meu mal é amor...
sem promessa de felicidade.


h.f.
18 nov./2015



As horas são amoras


O mundo em caos
e eu nesse estado
interessante
em que as horas
são amoras
a adoçarem meu
semblante


h.f.
18 nov./2015


17/11/2015

15/11/2015

Quando


quando tudo é vontade
e tudo que é prolifera

saúdo a transitoriedade
e ressurjo primavera.


h.f.
16 nov./2015


E...















quando a manhã chegar,
faço-me Scarlett O'hara...
levanto as sobrancelhas
e convenço-me que é
outro dia


h.f.
15 nov./2015



14/11/2015

Sim...

sabia do ciúme
do desejo de posse
dessas coisas veladas
tão arraigadas
que rebaixam uma
alma revolucionária


h.f.
14 nov./2015


13/11/2015

À aurora do caminho


tudo o que sonhamos,
abandonamos à aurora
do caminho:

a flor
o orvalho
o espinho

o agasalho fora do ninho.


h.f.
13 nov./2015


02/11/2015

Ressaca


Morro cada vez que sim,
que entrego-me às águas
turvas do sentimento.

Quisera naufragar...
sem tornar-me ressaca.


h.f.
2 nov./2015



Quando você se foi...


QUANDO VOCÊ SE FOI
até as flores, vívidas a dois,
fizeram-se plásticas

"tão paradas e frias e mortas"


h.f.
8 out./2010


01/11/2015

é, simplesmente


porque (ele) tem a ver
com a minha confusão
que não é santa
nem laica

é,

simplesmente


h.f.
1 nov./2015


"O sonhador, em seu devaneio, não consegue sonhar diante de um espelho que não seja profundo."

(Gaston Bachelard)